domingo, 30 de maio de 2010

SEMINÁRIO PSICOPEDAGOGIA EM FOCO - INSTITUTO GATE

Participação no Seminário com a oficina A ARTE DE EDUCAR COM AS HISTÓRIAS









Oficina de CONTAÇÃO DE HISTÓRIAS na Faculdade São Judas Tadeu

OFICINA ORGANIZADA PELO INSTITUTO GATE - Gestão Assessoria e Treinamento.

Em algumas oficinas que dou, encontro com contadores de histórias que vão em busca de novas propostas, de trocas, novas técnicas. Nesta última oficina tive o prazer de conhecer pessoalmente o contador de histórias Rodrigo que eu já conhecia no ORKUT. Ele é o que está de Blusa listrada de verde. Foi muito bom contar com a sua presença.




















quarta-feira, 12 de maio de 2010

Que atividades podem ser realizadas após a contação de histórias?

As histórias devem ser contadas diariamente para encantar a criança, iluminar o dia de aula com ludicidade. As crianças ao ouvirem histórias vão se apropriando da linguagem formal que há nos livros e quando o professor menos espera... perceberão que seus alunos já estão criando histórias verbalmente, com todas propriedade, antes mesmo de saber escrever.
Após a leitura/contação de histórias podemos (vez ou outra) realizar algumas atividades diferenciadas que se relacionem com a história do dia:

Sinalizar o vocabulário utilizado na linguagem FORMAL  dos livros:  “Era uma vez”, “Há muito tempo atrás”, 

Dinamizar uma dramatização utilizando-se de pequenas fantasias criadas com Tnt  ou com alguns adereços e objetos do baú de histórias.

Produzir um pequeno vestuário teatral para auxiliar na realização de improvisação de enquetes.


Produzir uma matéria de JORNALISMO com os “acontecimentos ocorridos na história”.
Exemplo: "Caçadores retiram vovozinha ainda viva dentro da barriga do Lobo Mau. A repórter Maria Chiquinha está lá na floresta e irá nos trazer mais informações..."



Criar o hábito de trabalhar em rodinha para que as crianças se desinibam aos poucos dando sua opinião e fazendo sua crítica sobre a história;

Interromper  a história no meio e pedir para que as crianças criem um final para a mesma ... Depois faz-se a comparação do que o autor idealizou para o destino de cada personagem com os novos destinos dados pelas crianças.

Muitas outras atividades podem ser feitas, inclusive a produção de uma nova história, mas não se esqueça o que diz Lucia Lins Browne Rego sobre a produção textual:

"Será que oportunizar a auto-expressão já é o bastante para que a criança desenvolva a sua competência narrativa? As crianças precisam de modelos literários. A partir de que idade devemos nos preocupar em preparar a criança para a produção de texto?
Lúcia Lins Browne Rego afirma: “A criação literária não surge do nada. Nela, os modelos são necessários e importantes, pois é a partir deles que nascem novos escritores. Todo escritor sofre ou sofreu, em alguma etapa de sua carreira, influências literárias que lhe permitiram a criação de um estilo próprio. É um ponto de partida para uma segunda etapa deste processo: o momento da criação.”
Criar um texto é uma atividade linguística bastante abstrata, uma vez que consiste em gerar uma situação fictícia através da linguagem. Para a criança que traz em sua bagagem linguística apenas o uso da língua em situações de conversação, isso pode ser uma tarefa bastante difícil.


Conte com o apoio da família. Peça que leiam muitas histórias para seus filhos.

LAÇOS DE AFETIVIDADE



A afetividade é o principal ingrediente para um trabalho educativo gerar bons frutos. Quando o trabalho do professor é permeado por atividades significativas que envolvam o lúdico, ele terá bons resultados como resposta. É papel do professor oportunizar a criação de laços de amizade e confiança entre todos os membros de uma turma. Brincadeiras que resultem em abraços, trabalho em dupla, mural de fotos com poses que demonstrem a união das crianças, sempre trazem bons resultados.

A poesia BARATAS! descreve de maneira inusitada a brincadeira respeitosa de "duas amiguinhas". Divirta-se! Ela é um bom caminho para um bate papo sobre LAÇOS DE AFETIVIDADE.

Imaginem a dramatização desta poesia? 

BARATAS!

Duas baratas muito faceiras
Adoram fazer brincadeiras.

Imitam gente com perfeição:
Vestem sainhas e passam batom!

Brincos compridos querem usar...
Mas sem orelhinhas, onde pendurar?

Com botas de couro e blusas curtinhas,
ficam as baratas tão bonitinhas!!!

Desfilam as duas com  fantasia!
Brincam felizes! Ai que alegria!

Ligam a música para dançar...
Bailam e pulam, querem voar!!

Brincam de pique e de amarelinha.
São tão amigas essas bichinhas!

Por serem espertas, não vão bobear,
pois a madrugada já vai terminar.

Baratas brincando à luz do dia?
É um grande perigo! Ai que agonia!

Se forem  pisadas por um pé malvado...
Aí vai barata par tudo que é lado!!!

Pensando direito é melhor se mandar,
Pois no outro dia voltam a brincar!

E assim as baratas sem parar de rir
Pegam suas  coisas... e se mandam  dali!!



RJ: Denise Almeida da Silva, 2005
Poema publicado no livro:
“Quem não presta atenção... 
Só se mete em confusão!”

denisepoetisa@yahoo.com.br