domingo, 2 de novembro de 2008

Poema Infanto-juvenil: O CHORO DA TERRA




Terra amada, por que tanto choras?
Troca teu choro por uma melodia.
Sente o arado que com ardor te sulca
e a semente que em ti se refugia.


Olha o menino correndo pros teus braços
e a canção do vento quando rodopia,
o cantar dos pássaros que te sobrevoam,
o raiar do sol que cedo te alumia.


Lembra do índio que te idolatra
e do homem sábio que te reverencia,
os animais que em ti encontram abrigo,
a cachoeira e sua galhardia.


Percebe as flores que te ornamentam,
olha a criança que te acaricia
e o poeta que te exalta em versos,
transforma tudo em bela sinfonia.


Não chores mais, minha Terra adorada!
Surge uma chance a cada novo dia.
Esquece os homens que ainda te maltratam...
daremos fim a esta covardia.


RJ: Denise Almeida da Silva, 2005
“Quem não presta atenção... só se mete em Confusão!”