domingo, 2 de novembro de 2008

O MISTÉRIO DAS ONDAS DO MAR

Há muito tempo atrás, os mares do mundo inteiro paralisaram. Não se movia uma ondinha sequer. Em uma cidadezinha muito pobre, um jovem curioso pescava à beira do mar tentando entender aquele mistério quando de repente, começou a escutar um estranho coaxar angustiado. Ele apurou o ouvido e foi caminhando em direção de onde vinha aquele som. Foi então que pulou na sua frente uma sapinha indefesa que lhe implorou:
— Por favor, estou me escondendo de uma cobra que deseja me devorar. Proteja-me, pois eu não quero morrer.
Dizendo isso, surgiu de repente uma serpente enorme que imediatamente deu um bote em direção ao animalzinho. O rapaz, sem ter muito tempo para pensar, lutou com a cobra e sacando de uma faca que utilizava sempre em sua pescaria, conseguiu dar um fim àquela serpente depois de muita luta.
Muito agradecida a sapinha lhe fez um pedido muito estranho:
— Para completar a sua ajuda, gostaria que você me desse um beijo, pois tenho sofrido muito estes últimos dias e preciso de carinho. O rapaz então, impulsionado desta vez por sua bondade, atendeu ao seu pedido dando um carinhoso beijo em sua cabecinha. Neste momento tudo escureceu, surgiram raios que iluminavam o céu e trovões ensurdecedores. Um vento forte começou a soprar e imediatamente as ondas no mar voltaram a bater na areia aquecida pelo sol que ressurgia contente. Toda a natureza havia se manifestado. Quando o pescador, sem entender nada, procurou a sapinha percebeu que ela havia se transformado na mais linda das princesas.
A encantadora jovem explicou que em seu reinado, lá no fundo do mar, ela era a responsável pela beleza das ondas do mar e contou que elas haviam parado por causa de um feitiço que uma bruxa invejosa havia lhe jogado.
Feliz e agradecida, a princesa, antes de retornar para o mar, prometeu a ele que nunca mais faltaria peixes para alimentar seu povo.
Foi assim que tudo aconteceu. Aquele povoado se tornou próspero e todos viveram felizes por lá. Dizem que até hoje este rapaz senta numa grande pedra junto a praia, aos finais de tarde, e fica escutando as ondas do mar na esperança de que apareça outra sapinha lhe pedindo um beijo encantado.

RJ: Denise Almeida da Silva, 2007

Ao contar esta história não deixe de citar o nome da autora.